Mosteiro da Transfiguração

Em Vossa Luz contemplamos a Luz!

foto
 

Casa Betânia


   O Capítulo Cinqüenta e Três da Regra de São Bento, da Recepção dos Hóspedes, inicia-se assim: “Todos os hóspedes que chegarem ao mosteiro sejam recebidos como o Cristo, pois Ele próprio irá dizer: ‘Fui hóspede e me recebestes’. Logo que um hóspede for anunciado, corra-lhe ao encontro o superior ou os irmãos, com toda a solicitude da caridade; primeiro, rezem em comum e assim se associem na paz. Nesta mesma saudação mostra-se toda a humildade. Mostre-se, principalmente, um cuidado solícito na recepção dos pobres e peregrinos porque, sobretudo, na pessoa destes Cristo é recebido. Que a casa de Deus seja sabiamente administrada por monges sábios, a fim de que nunca faltem no mosteiro os hóspedes.”

Casa Betânia

 
 
Momento de oração na capela

   Thomas Merton, monge trapista americano em seu livro “A volta ao silêncio”, trata da vida contemplativa no mundo atual, nos dizendo que “o futuro da vida monástica para o fim do século (no qual devemos entender como início do terceiro milênio) vai depender da nossa abertura ou não à frente das preocupações do nosso mundo contemporâneo e de seus questionamentos. Ou os mosteiros se abrem e continuam a assumir um papel de centro positivo de civilização cristã e humana ou irão se fechar, estrangulando-se dentro de si mesmos.


 
Capela - Casa Betânia Capela - Casa Betânia

   Em um dos congressos dos abades em Roma, o Santo Padre João Paulo II recebendo todos os abades na audiência privada recordou-lhes “a necessidade de uma exigência primordial da vida monástica. No oriente e no ocidente a vida monástica constitui-se para a Igreja um patrimônio de valor inestimável”. Na exortação apostólica pós-sinodal “Vita Consecrata” o mesmo Papa escreve: “Os mosteiros foram e são no coração da Igreja e do mundo um sinal eloqüente de comunhão, lugares para acolher todas as pessoas que estão buscando Deus e as realidades espirituais, escolas de fé e verdadeiros centros de estudos, de diálogo e de cultura para a edificação da vida eclesial e da cidade terrestre esperando a cidade celeste. O monaquismo ocidental, inspirado em São Bento em sua Regra, formou a geração de homens e mulheres chamados a deixar o mundo a fim de se consagrarem totalmente a Deus, colocando o amor do Cristo no centro e acima de tudo. Esta maneira de viver é, para os hóspedes, um sinal profético e escatológico capaz de tocar seus corações e provocar um questionamento positivo a ponto de gerar uma mudança de vida. A vida monástica é para os homens de hoje uma “água viva” do Cristo, a única que poderá saciar a sede dos homens”.

Refeitorio da Casa Betânia

 
Grupo em retiro

   O Mosteiro da Transfiguração dispõe de uma hospedaria - Casa Betânia - aberta a todos que quiserem compartilhar de nossa vida, liturgia, silêncio ou que estejam precisando de um momento a sós consigo mesmo e com Deus. Também acolhemos grupos para retiros, encontros, seminários, cursos de formação etc. Para isso, oferecemos um espaço com auditório, refeitório, capela, jardim, 38 quartos e muita paz.


 
 

   Escolhemos este nome - Casa Betânia - para a hospedaria, porque Jesus, na casa de Marta, Maria e Lázaro, na cidade de Betânia, encontrou um lugar de escuta, dedicação e amizade. Que nossa Betânia também possa assumir esta vocação de receber o Cristo na pessoa de nossos hóspedes.

Afresco "Betânia"
 

   Queremos tornar o ambiente do mosteiro em um "OASIS" de Paz e também assumir o que diz Jesus: "Fui hóspede e me recebeste". Ou ainda nosso Pai S. Bento: "Que todos os hóspedes que vêm ao mosteiro sejam recebidos como o próprio Cristo". (RB.53,1).

   Ao meditarmos este mistério do Cristo hóspede, decidimos para melhor desempenharmos esta função de recebê-los como o Cristo e de uma maneira digna de tal honra, reforçar aquilo que já estamos fazendo. Precisamos permanecer com alguns aspectos que são indispensáveis para a hospedaria do mosteiro da Transfiguração onde envolve: hospedeiros, responsável da limpeza, responsável da cozinha do mosteiro e liturgia, todos estes precisam estar preparados para receber o hóspede que vai chegar.

   Para que tudo concorra para o bem de todos, tanto do mosteiro quanto do hóspede estamos exigindo os seguintes aspectos para um bom andamento de nossa hospedaria e para que os que a procuram encontrem um lugar limpo e tranquilo sem "magoar ou ofender" alguém. Lembrando que o ambiente que oferecemos é uma "hospedaria monástica" e não um hotel ou pousada de férias.

   Pedimos e informamos que:

  • Faça a reserva de seu retiro por e-mail ou telefone pessoalmente e não por terceiros;
  • O prazo para reservas é de sete dias, antes da data desejada ou até que o numero estipulado de hóspedes se complete;
  • Também informamos que o mosteiro tem um horário para fechar o portão de entrada. Este não pode ficar aberto à noite toda. O horário para fechar é 19h00min. Para os hóspedes que não tem condições de chegar antes deste horário poderá combinar com os irmãos Hospedeiros uma forma melhor, mas somente para os que realmente não conseguirem chegar antes do horário citado.
  • Esta informação que oferecemos a você caro hóspede é para maior clareza sobre a hospedagem e para procederem de maneira que não ocorram transtornos para os senhores. Pois nosso intuito como já citamos é receber bem a todos e com a Paz do Cristo Transfigurado.

Entrar em contato com o irmão hospedeiro

Ver a agenda do mosteiro